Lei de Adoração

“Em que consiste a adoração?

Na elevação do pensamento a Deus. Deste, pela adoração, aproxima o homem de sua alma.”

(O Livro dos Espíritos, questão 649)

O vocábulo adoração significa, segundo o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, “ato ou efeito de adorar, que está intimamente relacionado à palavra veneração, culto que se rende a alguém ou algo considerado divindade. No sentido vulgar do termo, adorar traduz-se como prestar culto à divindade”.

Ora, se vamos render culto ao “Divino”, necessitamos de uma referência, de “alguém ou algo considerado divindade”.

Allan Kardec inquiriu, na questão de número 625, os benfeitores espirituais como se segue:

– “Qual o tipo mais perfeito que Deus já ofereceu ao homem para lhe servir de guia e modelo?”

A resposta é a mais curta de todo o Livro dos Espíritos:

– “Jesus.”

Kardec destaca que “para o homem, Jesus constitui o tipo da perfeição moral a que a Humanidade pode aspirar na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo, e a doutrina que ensinou é a expressão mais pura da lei do Senhor, porque o espírito divino o animava, e porque foi o ser mais puro de quantos têm aparecido na Terra”.

E o que nos dizem os benfeitores espirituais sobre adoração em o Livro dos Espíritos:

– “A adoração está na lei natural, pois resulta de um sentimento inato no homem. Por essa razão é que existe entre todos os povos, se bem que sob formas diferentes.”

– “A adoração verdadeira é do coração.”

– “Reunidos pela comunhão dos pensamentos e dos sentimentos, mais força têm os homens para atrair a si os Espíritos bons.”

– “A prece é sempre agradável a Deus, quando ditada pelo coração, pois, para ele, a intenção é tudo.”

– “A prece é um ato de adoração. Orar a Deus é pensar nele; é aproximar-se dele; é pôr-se em comunicação com ele. Três coisas podemos propor-nos por meio da prece: louvar, pedir, agradecer.”

– “O essencial não é orar muito, mas orar bem.”

– “Deus abençoa sempre os que fazem o bem. O melhor meio de honrá-lo consiste em minorar os sofrimentos dos pobres e dos aflitos.”

– “O homem que se atém às exterioridades e não ao coração é um espírito de vistas acanhadas.”

No próximo artigo vamos conhecer um pouco mais sobre a “Lei do Trabalho”.

Por Moacir Wilson De Sá Ferreira

Veja o artigo anterior – Lei Divina ou Natural

Veja o próximo artigo – Lei do Trabalho

Lei Divina ou Natural

“Que se deve entender por lei natural?

A lei natural é a lei de Deus. É a única verdadeira para a felicidade do homem. Indica-lhe o que deve fazer ou deixar de fazer, e ele só é infeliz quando dela se afasta.”

(O Livro dos Espíritos, questão 614)

Hippolyte Léon Denizard Rivail, sob o pseudônimo de Allan Kardec, formulou uma série de questões aos benfeitores espirituais sobre a Lei Divina ou natural.

As perguntas e respostas formam a “Parte Terceira” do Livro dos Espíritos, primeiro livro da Codificação Espírita, intitulada “Das leis morais”.

Kardec dividiu, didaticamente, as leis morais em 10 Leis: Adoração, Trabalho, Reprodução, Conservação, Destruição, Sociedade, Progresso, Igualdade, Liberdade, e, por fim, a de Justiça, Amor e Caridade.

Nesta série de artigos vamos destacar as principais ideias que constam da “Parte Terceira” deste verdadeiro tratado de Filosofia, Ciência e Religião que é o Livro dos Espíritos.

Eis as principais ideias da Lei Divina ou natural:

“Eterna e imutável como o próprio Deus.”

– “A harmonia que reina no universo material, como no universo moral, se funda em leis estabelecidas por Deus desde toda a eternidade.”

– “Todas as leis da Natureza são leis divinas, pois que Deus é o autor de tudo.”

– “Todos podem conhecê-la, mas nem todos a compreendem. Os homens de bem e os que se decidem a investigá-la são os que melhor a compreendem.”

– “A Lei Natural regula toda a condição humana e a humanidade se melhora à medida que amplia suas perspectivas de compreensão e aperfeiçoa-se no exercício dessa lei.”

Encerramos nossa reflexão com a questão 621 do Livro dos Espíritos:

– “Onde está escrita a lei de Deus?” pergunta Kardec.

“Na consciência”, respondem os benfeitores espirituais.

No próximo artigo vamos conhecer um pouco mais sobre a “Lei de Adoração”.

Por Moacir Wilson De Sá Ferreira

Veja o próximo artigo – Lei de Adoração

Conheça a Biblioteca virtual do site da CME – Clique aqui

Lei de justiça, de amor e de caridade

“Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus?

“Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.”

(O Livro dos Espíritos, questão 886)

Chegamos ao final dessa série de posts que

destacaram as principais ideias das perguntas e respostas que formam a “Parte Terceira”, de o Livro dos Espíritos, intitulada “Das leis morais”.

Refletimos sobre as Leis de Adoração, do Trabalho, da Reprodução, de Conservação, de Destruição, de Sociedade, de Progresso, de Igualdade e de Liberdade.

Vamos à Lei de justiça, de amor e de caridade:

– “A justiça consiste em cada um respeitar os direitos dos demais.”

– “Disse o Cristo: Queira cada um para os outros o que quereria para si mesmo. No coração do homem imprimiu Deus a regra da verdadeira justiça, fazendo que cada um deseje ver respeitados os seus direitos.”

– “Tendo os homens formulado leis apropriadas a seus costumes e caracteres, elas estabeleceram direitos que podem ter variado, com o progresso das luzes.”

– “A vida social outorga direitos e impõe deveres recíprocos.”

– “O limite do direito que, com relação a si mesmo, reconhecer ao seu semelhante, em idênticas circunstâncias e reciprocamente.”

– “Os direitos naturais são os mesmos para todos os homens, desde os de condição mais humilde até os de posição mais elevada.”

– “Proibindo-nos que façamos aos outros o que não desejaríamos que nos fizessem, a lei de amor e de justiça nos proíbe, ipso facto, a aquisição de bens por quaisquer meios que lhe sejam contrários.”

– “O amor e a caridade são o complemento da lei de justiça, pois amar o próximo é fazer-lhe todo o bem que nos seja possível e que desejaríamos nos fosse feito. Tal o sentido destas palavras de Jesus: Amai-vos uns aos outros como irmãos.”

– “A caridade, segundo Jesus, não se restringe à esmola, abrange todas as relações em que nos achamos com os nossos semelhantes, sejam eles nossos inferiores, nossos iguais, ou nossos superiores.”

– “O homem verdadeiramente bom procura elevar, aos seus próprios olhos, aquele que lhe é inferior, diminuindo a distância que os separa.”

– “Amar os inimigos é perdoar-lhes e lhes retribuir o mal com o bem.”

– “A verdadeira caridade é sempre bondosa e benévola; está tanto no ato, como na maneira por que é praticado.”

– “Amai-vos uns aos outros, eis toda a lei, lei divina, mediante a qual governa Deus os mundos.”

– “Sede indulgentes com os defeitos dos vossos semelhantes. Em vez de votardes desprezo à ignorância e ao vício, instruí os ignorantes e moralizai os viciados.”

Encerramos com a questão 879 do Livro dos Espíritos:

– “Qual seria o caráter do homem que praticasse a justiça em toda a sua pureza?

O do verdadeiro justo, a exemplo de Jesus, porquanto praticaria também o amor do próximo e a caridade, sem os quais não há verdadeira justiça.”

Por Moacir Wilson De Sá Ferreira

Veja o artigo anterior – Lei da Liberdade

Lei de Igualdade

“É lei da Natureza a desigualdade das condições sociais?

Não; é obra do homem e não de Deus.”

(O Livro dos Espíritos, questão 806)

Seguimos destacando as principais ideias das perguntas e respostas que formam a “Parte Terceira”, de o Livro dos Espíritos, intitulada “Das leis morais”.

Nos posts anteriores destacamos as Leis de Adoração, do Trabalho, da Reprodução, de Conservação, de Destruição, de Sociedade e de Progresso.

O benfeitor espiritual Emmanuel afirma que “a igualdade, sem dúvida, é a realidade nas raízes da existência. Todos os seres possuem direitos idênticos de acesso à elevação, sob qualquer prisma (…)”

Vamos à Lei de Igualdade:

– “Todos os homens estão submetidos às mesmas leis da Natureza. Todos nascem igualmente fracos, acham-se sujeitos às mesmas dores e o corpo do rico se destrói como o do pobre. Deus a nenhum homem concedeu superioridade natural, nem pelo nascimento, nem pela morte: todos, aos Seus olhos, são iguais.”

– “Deus criou iguais todos os Espíritos, mas cada um deles vive há mais ou menos tempo, e, conseguintemente, tem feito maior ou menor soma de aquisições.”

– “Deus, portanto, não criou faculdades desiguais; permitiu, porém, que os Espíritos em graus diversos de desenvolvimento estivessem em contato, para que os mais adiantados pudessem auxiliar o progresso dos mais atrasados e também para que os homens, necessitando uns dos outros, compreendessem a lei de caridade que os deve unir.”

– “Só o Espírito é mais ou menos puro e isso não depende da posição social.”

– “Em tudo existe o equilíbrio; o homem é quem o perturba.”

– “Os homens se entenderão quando praticarem a lei de justiça.”

No próximo artigo vamos conhecer um pouco mais sobre a  “Lei de Liberdade”.

Por Moacir Wilson De Sá Ferreira

Veja o artigo anterior – Lei do Progresso

Veja o próximo artigo – Lei da Liberdade

Lei de Conservação

“É lei da Natureza o instinto de conservação?

Sem dúvida. Todos os seres vivos o possuem, qualquer que seja o grau de sua inteligência. Nuns, é puramente maquinal, raciocinado em outros.”

(O Livro dos Espíritos, questão 702)

Seguimos destacando as principais ideias das perguntas e respostas que formam a “Parte Terceira”, de o Livro dos Espíritos, intitulada “Das leis morais”.

Nos posts anteriores destacamos as Leis de Adoração, do Trabalho e da Reprodução.

Vamos à Lei de Conservação:

– “Todos têm que concorrer para o cumprimento dos desígnios da Providência. Por isso foi que Deus lhes deu a necessidade de viver.”

– “Não seria possível que Deus criasse para o homem a necessidade de viver sem lhe dar os meios de consegui-lo.”

– “Em verdade vos digo, imprevidente não é a Natureza, é o homem, que não sabe regrar o seu viver.”

– “Por bens da Terra se deve, pois, entender tudo de que o homem pode gozar neste mundo.”

– “Buscai e achareis: essas palavras não querem dizer que, para achar o que deseje, basta que o homem olhe para a terra, mas que lhe é preciso procurá-lo, não com indolência, e sim com ardor e perseverança.”

– “O homem que procura nos excessos de todo gênero o requinte do gozo coloca-se abaixo do animal, pois que este sabe deter-se, quando satisfeita a sua necessidade.”

– “As doenças, as enfermidades e a própria morte, que resultam do abuso, são, ao mesmo tempo, o castigo à transgressão da lei de Deus.”

– “A civilização desenvolve o senso moral e, ao mesmo tempo, o sentimento de caridade, que leva os homens a se prestarem mútuo apoio.”

– “Contra os perigos e os sofrimentos é que o instinto de conservação foi dado a todos os seres.”

No próximo artigo vamos conhecer um pouco mais sobre a “Lei de Destruição”.

Por Moacir Wilson De Sá Ferreira

Veja o artigo anterior – Lei de Reprodução

Veja o próximo artigo – Lei da Destruição

Lei de Destruição

“Por que, ao lado dos meios de conservação, colocou a Natureza os agentes de destruição? É o remédio ao lado do mal. Já dissemos: para manter o equilíbrio e servir de contrapeso.”

(O Livro dos Espíritos, questão 731)

Seguimos destacando as principais ideias das perguntas e respostas que formam a “Parte Terceira”, de o Livro dos Espíritos, intitulada “Das leis morais”.

Nos posts anteriores destacamos as Leis de Adoração, do Trabalho, da Reprodução e de Conservação.

Vamos à Lei de Destruição:

– “Preciso é que tudo se destrua para renascer e se regenerar; porque, o que chamais destruição não passa de uma transformação, que tem por fim a renovação e melhoria dos seres vivos.”

– “A parte essencial é o princípio inteligente, que não se pode destruir e se elabora nas metamorfoses diversas por que passa.”

– “Assim é que, como podeis observar, o horror à destruição cresce com o desenvolvimento intelectual e moral.”

– “O abuso jamais constituiu direito.”

– “Toda destruição que excede os limites da necessidade é uma violação da lei de Deus.”

– “Os Espíritos, que preexistem e sobrevivem a tudo, formam o mundo real.”

– “Os flagelos são provas que dão ao homem ocasião de exercitar a sua inteligência, de demonstrar sua paciência e resignação ante a vontade de Deus, e que lhe oferecem ensejo de manifestar seus sentimentos de abnegação, de desinteresse e de amor ao próximo, se não estiver dominado pelo egoísmo.”

– “À medida que o homem progride, menos frequente se torna a guerra, porque ele lhe evita as causas.”

No próximo artigo vamos conhecer um pouco mais sobre a “Lei de Sociedade”.

Por Moacir Wilson De Sá Ferreira

Veja o artigo anterior – Lei da Conservação

Veja o próximo artigo – Lei da Sociedade

Como me tornei espírita – breve história de uma longa jornada

Acabara de ingressar por concurso na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em Campinas, Estado de São Paulo, naquele já distante ano de 1973. Para o guri do interior gaúcho que pela primeira vez se aventurava além dos limites do estado natal, tudo era novidade, tudo era aprendizado. Os dias eram cheios de atividades físicas e intelectuais. O treinamento físico, com exceção da natação, não apresentava maiores dificuldades, mas as aulas de geometria descritiva, física e matemática eram desafios constantes, em razão da base intelectual insuficiente que trazia comigo ao ingressar naquela magnífica Escola. Daí a necessidade de prolongar o estudo pelas madrugadas, o que, diga-se de passagem, não era privilégio meu.

Numa situação dessas, seria de esperar que as horas de sono fossem reparadoras, mas não era isso o que acontecia. Na verdade, bastava-me fechar os olhos para que visões esdrúxulas passassem a me atormentar. Inimigos visitavam-me os sonhos sob as mais disparatadas formas: morcegos, aranhas, serpentes, monstros desconhecidos. Muitas vezes levantava-me em estado sonambúlico e saía a perseguir aqueles espectros pelo alojamento da 1ª Companhia de Alunos, tendo de ser reconduzido ao leito pelo aluno plantão da hora ou pelo sargento de dia.

Meu estado de esgotamento físico e mental logo se tornou perceptível para colegas e professores e os graus nas provas começaram a refletir essa circunstância de forma muito clara.

Num determinado dia, no intervalo após uma aula de geometria descritiva, o professor da disciplina, por nós chamado carinhosamente de Velho Mestre (não apenas pela idade, mas pela atenção que dedicava a cada um de nós, seus alunos), perguntou-me o que acontecia comigo e eu rapidamente lhe relatei minhas peripécias. Ele disse que poderia tentar me ajudar, levando-me a um centro espírita onde receberia passes e energização para superar aquele problema que, segundo ele, nada tinha de grave. Embora um pouco cético, aceitei o oferecimento, primeiro pelo respeito que sentia pelo professor e segundo porque, naquela situação, qualquer ajuda era muito bem-vinda.

No sábado seguinte pela manhã o professor me apanhou em seu automóvel e fomos a um bairro não muito distante da Escola. O centro espírita funcionava num grande barracão no centro de uma área terraplanada. Fomos orientados a entrar numa longa fila de pessoas que aguardavam a sua vez de serem atendidas no interior do barracão.

Julgo importante mencionar meu estado de espírito naquele momento: cansaço, desânimo, sensação de esgotamento físico e mental. Tudo parecia fora de foco, as cores mostravam-se embaçadas e sem brilho e até o sol parecia ofuscado pela bruma que me encobria os sentidos.

Após um bom tempo de espera, entramos finalmente no barracão. Chamava-me a atenção o estado lamentável do jovem que se deslocava à nossa frente, amparado por um casal de pessoas idosas, com muita dificuldade e externando grande sofrimento. Esse moço foi atendido imediatamente antes de mim. O médium, após alguns passes e preces invocando o nome de Jesus, esticou com as mãos o pescoço e os membros do rapaz, feito o que este começou a movimentar-se com facilidade. O rapaz saiu do local andando sem auxílio, após agradecer ao médium e aos guias espirituais que o haviam socorrido.

Chegara a minha vez. O médium me disse que não tinha com que me preocupar: eu estava sob a influência de energias negativas, mas elas seriam descarregadas de imediato e o problema estaria resolvido. Impôs as mãos sobre minha cabeça e orou em voz alta, exortando os espíritos perturbadores que me acompanhavam a não me atrapalharem no cumprimento de minha missão. A seguir, dirigiu-me algumas palavras de estímulo: que não desanimasse, pois visualizava à minha frente uma estrada ensolarada e que para manter o sol sempre brilhando era preciso sempre fazer o bem, ter fé e orar frequentemente. Essas eram as três condições para conservar ao meu lado os amigos espirituais e evitar que aqueles que me desejavam o mal pudessem aproximar-se de mim e atingir-me.

Agradeci o atendimento e as palavras de estímulo. Ainda incrédulo, procurando fazer sentido em tudo que havia visto e ouvido, saí do barracão e fiquei pasmo com a transformação que percebia à minha volta. As cores e os sons haviam retornado em seu esplendor: o verde exuberante das árvores, o dourado radioso do sol, os gritos e as risadas das crianças que brincavam num parque próximo irradiavam vida e alegria de uma forma que eu não recordava haver percebido antes.

Naquele momento, minha incredulidade cedeu lugar a um espírito inquiridor: “existe aí algo que ainda não entendo, mas que tenho a obrigação de entender e, no limite das minhas forças, colocar à disposição de outras pessoas para que, desde que o queiram, possam ser beneficiadas como eu o fui no dia de hoje.”

Nos dias e anos que se seguiram, as perturbações de fato cessaram, com raras exceções em momentos de grande estresse. Busquei entender aquele processo e encontrei apoio no Núcleo dos Militares Espíritas (NUME), o braço da Cruzada dos Militares Espíritas (CME) na Escola Preparatória, e na leitura das obras básicas da Codificação Kardecista. Nessa época tive a oportunidade de conhecer a inesquecível Professora Sulami Pereira Brito, Doutora em psicologia e orientadora de tantos jovens como eu, que frequentavam sua casa para conhecer a Doutrina Espírita e receber aconselhamento prático de enorme valor.

Já cadete da Academia Militar das Agulhas Negras, participei das atividades do Núcleo da CME em Resende durante os quatro anos do curso. Ali tive a oportunidade de manter contato com os dirigentes nacionais da Cruzada, notadamente o saudoso General O’Reilly, o saudoso Coronel Kremer e muitos dos atuais dirigentes da Cruzada, a quem aprendi a admirar pelo trabalho constante e desinteressado na seara do Mestre.

Durante todo o meu período como cadete, continuei a frequentar a casa da Professora Sulami. Naquelas inesquecíveis sessões espíritas, minha então namorada Beth dava seus primeiros passos na prática mediúnica. Ali foram lançadas as bases do nosso Lar e da nossa Família.

Ainda Aspirante-a-Oficial, tive a honra de participar do Cruzeiro de Instrução com a Turma de Guardas-Marinha Almirante Alexandrino. Nas longas travessias, exceto nos momentos em que me achava excessivamente mareado, participava de reuniões de estudo sob a orientação do nosso caro Comandante Valois, com quem muito aprendi, não apenas sobre a Doutrina Espírita, como também sobre muitas coisas práticas da vida militar e da vida em família.

Após ser declarado oficial, em minhas numerosas movimentações pelo território nacional e no exterior, muitas vezes contei com o apoio da CME. A par da necessária manutenção da cultura geral e militar necessárias ao correto exercício da profissão militar, conservei a leitura das obras espíritas na ordem do dia, por saber que “Fé verdadeira somente o é aquela capaz de encarar a razão face a face, em todas as épocas da humanidade”.

Desde os primeiros tempos, entendi a missão da CME como sendo proporcionar aos profissionais militares espíritas e suas famílias, sujeitos a frequentes movimentações entre as numerosas unidades das Forças Armadas e das Forças Auxiliares distribuídas pelo território nacional, o acolhimento fraterno quando da chegada a uma nova guarnição. Disso tivemos amostra na chegada a algumas cidades, como Santana do Livramento, onde fomos recebidos pelo saudoso irmão de ideal Jesiel, então Presidente do Núcleo da CME naquela cidade fronteiriça onde fomos muito felizes.

Numa época como esta em que vivemos, plena de desafios, de medos, de fanatismos e de opiniões desencontradas, acreditamos que a prática evangélica orientada à luz da Doutrina Espírita tenha uma significativa missão a cumprir. Esse trabalho será desenvolvido, sobretudo, na orientação aos necessitados, no alívio das aflições espirituais, no despertar da verdadeira fé nos corações incrédulos que se disponham a aceitar ajuda.

Minha família e eu sabemos que a Doutrina Espírita não é receita milagrosa ou panaceia capaz de resolver todos os problemas com que nos deparamos em nossas vidas. É antes um guia, um receituário de como proceder para, estudando, trabalhando, crescendo e, sobretudo, amando o nosso próximo, termos uma existência plena e produtiva na senda do progresso e em prol daqueles que compartilham partes da nossa jornada terrena.

De forma coerente com esses princípios, elegemos a Cruzada dos Militares Espíritas, organização formada por pessoas de bem e comprometidas com a construção de um mundo melhor, para ser a destinatária de nossos esforços. Essa é, simplesmente falando, uma maneira simples e ainda incompleta de retribuir tudo que recebemos da Cruzada ao longo de quase meio século de vivência na Doutrina Espírita.

Brasília, 8 de julho de 2021

por Décio Luís Schons Cruzado 5418

Conheça a Biblioteca virtual do site da CME – Clique aqui